Previous Page  12-13 / 24 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 12-13 / 24 Next Page
Page Background

12

REVISTA

SINDLOC SP

13

REVISTA

SINDLOC SP

Bigstock

O

fim das coligações propor-

cionais imposto pelo Tribu-

nal Superior Eleitoral (TSE),

prática na qual partidos sem no-

mes fortes se escoravam em can-

didatos famosos para absorver

votos e cadeiras no Legislativo,

altera substancialmente o cenário

das eleições municipais deste ano.

Sem o chamado “efeito Tiririca”, a

tendência é que haja um recorde

de 1 milhão de candidaturas de ve-

readores, o que pode abrir oportu-

nidades de receitas extras para as

locadoras de veículos.

As possibilidades de negócios

envolvem não apenas municípios

em particular. Os empresários

podem articular parcerias com os

comitês regionais dos partidos

para atuar em macrorregiões do

estado, propondo valores e con-

dições especiais. E o momento

para iniciar a prospecção é agora.

BOMVOTO

EBONSNEGÓCIOS

Com perspectiva de recorde de candidatos, as eleições municipais

podem aquecer o mercado de aluguel de veículos

Mas como aproveitar esse nicho

de mercado sem pôr em risco a

saúde financeira das locadoras?

Especialistas nesses contratos

fazem uma advertência.

O conhecimento da realidade

local é de extrema relevância para

identificar o potencial de cada can-

didatura. “A simples análise base-

ada no peso do partido pode ser

enganosa se não forem avaliados

o status do candidato e sua vivên-

cia na região, seja como político ou

empresário”, comenta José Mario

de Souza, diretor da JM & Marina

Locadora.

O contrato também exige

atenção redobrada, com espe-

cificações que atribuam clara-

mente ao contratante a respon-

sabilidade por acidentes, danos

ao veículo, infrações e multas de

trânsito. “Outra dica é negociar a

antecipação do crédito dos três

meses de campanha, o que ga-

rante mais segurança à locado-

ra”, acrescenta.

Como as eleições representam

uma onda passageira, o setor de

locação deve estudar com carinho

a formação de um plano de contin-

gência específico para o período.

“O investimento em novos veículos

somente para atender a essa de-

manda acarreta riscos desneces-

sários. O ideal é dispor de um volu-

me de frota para a campanha e, ao

fim do processo, desmobilizá-la”,

destaca Daniel Huss, proprietário

da HS Locadora.

Comolhar atento às pesquisas

de intenção de voto e à percep-

ção dos habitantes de cada cida-

de, com contratos mais detalha-

dos e um planejamento próprio,

as locadoras podem tornar as

eleições um momento fértil para

suas operações.

n

A

representatividade

das

vendas diretas para o volu-

me de negócios na indústria

automotiva apresentou velocida-

de impressionante em uma dé-

cada. Os 23% de participação nos

licenciamentos de veículos em

2010 tornaram-se 45% em 2019,

o que faz com que essa atividade

assuma uma função preponde-

rante para desovar os estoques

das montadoras. Mais do que isso:

ela ajudou a recolocar o Brasil na

sexta posição no ranking mundial

de comercialização de automóveis

e comerciais leves.

Mesmo ainda distante do quar-

to lugar que sustentou durante

metade da década, o país voltou à

colocação na qual chegou a figurar

em parte do ano de 2015, à frente

de França e Reino Unido. O ano de

2015, aliás, marcou uma vertigi-

nosa queda de 25% nas vendas ao

varejo – de 2,4 milhões de unidades

para 1,8 milhão. O recuo teve con-

tinuidade em 2019, quando o índice

foi de 1,5 milhão. No mesmo perío-

do de cinco anos, as vendas diretas

passaram de 700 mil para 1,2 mi-

lhão de unidades, o que equivale a

um avanço de 71%.

VENDAS DIRETAS AJUDAM

A RECOLOCAR o BRASIL

NOTOP6GLOBAL

“Os números reforçam que

a atuação de segmentos como

o de locação será o motor do ci-

clo de recuperação do mercado

automotivo brasileiro, tendo em

vista o surgimento de modelos

A participação dessa

categoria dobrou em uma

década e aproxima-se

da casa dos 50%

2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019

VENDAS

DIRETAS

VAREJO

23%

27%

23% 23%

29% 29%

34%

40% 43% 45%

77%

73%

77% 77%

71% 71%

66%

60% 57% 55%

de mobilidade disruptivos e uma

mudança no

mindset

do consu-

midor”, opina Eladio Paniagua,

presidente do

Sindloc-SP

. Os fa-

tos são reveladores. O setor tor-

nou-se protagonista.

n

CHINA

25,8

EUA

17,0

JAPÃO

5,2

ÍNDIA ALEMANHA BRASIL FRANÇA R.UNIDO ITÁLIA CANADÁ

4,4 4,0 2,7 2,6 2,5 2,1 1,9

Fonte: Anfavea

Ranking mundial de emplacamentos de

veículos em 2019

(em milhões de unidades)

Fonte: Anfavea

Varejo x vendas diretas em uma década

(em % de automóveis e comerciais leves)